Músicas Religiosas

Pesquise algo neste blog

Carregando...

AVISO!

Durante algum tempo o blog estará em constantes mudanças para melhoria de sua navegação e informação, mas você pode continuar visualizando as postagens e, se preferir, deixar seu comentário. Desde já agradeço pela sua visita e peço que volte sempre que puder. Ah! E se quiser entrar em contato comigo é só preencher os espaços que estão no lado direito do blog...
A paz esteja contigo!

sexta-feira, 6 de junho de 2014

A pressa é inimiga da oração


Essa realidade de uma vida agitada e tumultuada tem seus reflexos em nossa vida espiritual, o que torna a pressa inimiga da oração.
Diz um antigo ditado que a pressa é inimiga da perfeição. Infelizmente, somos escravos da pressa, principalmente na sociedade em que vivemos. Tudo acontece numa velocidade muito rápida! As notícias chegam até nós no momento em que os fatos acontecem. A comunicação está a um clique de nossas mãos. Neste tumultuado mundo em que habitamos e vivemos, desaprendemos a saborear os momentos. Na pressa que nos convida a estar sempre agitados interiormente, fazemos tudo no impulso da agilidade que o tempo nos exige.
Essa realidade de uma vida agitada e tumultuada tem seus reflexos em nossa vida espiritual. Enfermos da ‘síndrome da pressa’, nossa caminhada espiritual sofre as consequências de nossa agitação. Rezamos com tamanha rapidez que não conseguimos viver e sentir a força profunda da oração em nossa alma.
Perceba o seu modo de orar. Na maioria das vezes, as orações que saem de nossa boca não acompanham o ritmo de nossa alma. Tudo muito veloz; quando não, muito mecânico. Quando olhamos para essa realidade latente em nossa vida de fé, percebemos claramente que, na maioria das vezes, estamos ligados no “botão automático”.
A pressa é inimiga da oração
Quando foi a última vez que saboreamos internamente uma oração do Pai-Nosso rezada com calma e profundidade? Das celebrações litúrgicas que temos participado, quantas temos gravadas com profundidade em nosso coração?
A vida espiritual requer de nós a tranquilidade roubada pelas agitações. As nossas orações necessitam da calma e da paz que nos permitem saboreá-las internamente. Todo excesso de pressa furta de nós uma autêntica construção de nossa vida interior. Faz-se necessário desligarmos o “botão automático” quando nos propomos momentos de oração.
Muitas vezes, será preciso reaprendermos a descobrir onde, em nosso coração, se encontra o lugar sereno que nos permite estar totalmente com o Senhor. Distantes de nós mesmos e imersos na velocidade alucinante da vida, estamos condenados a fazer de nossos momentos espirituais apenas mais um momento que não deixa marcas profundas em nossa caminhada espiritual.
Antes de começarmos a orar, temos de parar, respirar e, uma vez adquirida a serenidade na alma, começar nossa oração. Saboreemos cada palavra que nossa boa pronuncia e, no silêncio do nosso coração, deixemos emergir as mais sinceras preces que nascem de nossa alma.
Reduzindo nossa velocidade interior, vamos vivenciar os momentos de oração como oportunidades de crescimento espiritual e humano. Entre os muitos benefícios que um momento tranquilo de oração nos proporciona, descobrimos que, mesmo que tenhamos pouco tempo para orar, estes serão profundos. Aprenderemos também a reagir com calma diante de situações que necessitam de mais serenidade para serem solucionadas. E ainda experimentaremos que a paz de Deus pode ser uma realidade em meio ao tornado de demandas que a vida nos apresenta.

***

quinta-feira, 3 de abril de 2014

São José de Anchieta, o maior Catequista do Brasil

tony_stark_anchieta

Hoje, o Papa Francisco elevou à honra dos altares um dos homens mais incríveis que já pisaram no solo do Brasil: José de Anchieta. Santo “multiuso”, ele serviu a Deus com diversos dons: foi sacerdote, poeta, diplomata, profeta, professor de humanidades, tradutor, dramaturgo, pacificador, enfermeiro, autor de grandes milagres… Ufa!
Nascido nas Ilhas Canárias em 1534 (arquipélago espanhol próximo à costa do Marrocos), Anchieta ingressou no seminário dos jesuítas em Coimbra, aos 17 anos. Aos 19 anos, desembarcou no Brasil, com a missão de catequizar os índios. Era ainda seminarista e tinha a saúde muito frágil. Por meio dele, Deus realizaria maravilhas!

Falando a língua “dos mano”

domingo, 23 de março de 2014

"A Igreja não perdeu nenhum fiel..."


Sexo oral: legal ou imoral?



sexo_oral
Oi Povo Católico! (confesso que fiquei pensando em um verbo pra colocar no lugar do “oi”, mas não houve nenhum que não me deixasse constrangido)
Anda rolando por aí a notícia de que um determinado arcebispo de um país de língua espanhola teria afirmado que as mulheres casadas poderiam fazer sexo oral em seus maridos, sem cair em pecado. Para se livrar do risco de perversão, ao fazer tal ato deveriam “pensar em Jesus”. Essa história é verdade? Não sei. Mas, se for, o tal arcebispo se expressou muito mal (#VergonhaAlheia). Ainda que não tenha ensinado nada errado, não é muito legal pensar em Jesus nessas horas…

Podem vasculhar a Bíblia, os documentos da Igreja, os escritos dos santos… Até onde sei, não há qualquer referência a sexo oral. Então, como poderemos saber se esse ato, dentro do casamento, é moral ou imoral? Povo, basta colocar os neurônios pra funcionar! Nenhuma carícia sexual é pecaminosa, desde que não substitua o ato sexual em si, ou seja, a penetração na vagina com “happy end”.

Fundador de igreja protestante se torna católico. E a “culpa” é do Papa Francisco!


papa_video
Hoje, faz um ano que Jorge Mario Bergoglio, o argentino mais amado do Brasil (talvez o único argentino amado pelo Brasil), calçou as sandálias de Pedro e tornou-se o nosso Bispo de Branco. Nesses 365 dias de pontificado, uma coisa é marcante: a distorção de sua figura pela mídia e pelos católicos-jujuba, que esperam dele mudanças na doutrina; e, por outro lado, a desconfiança de alguns católicos tradicionalistas, que veem traição e modernismo em cada um de seus gestos.

Mas quem é, de verdade, o Papa Francisco? Como diz Jesus, pelos frutos podemos conhecer alguém. E o que vemos é o Papa reafirmar a cada dia a Tradição da Igreja, cativando, ao mesmo tempo, o coração dos não-católicos. Afinal, o médico veio para os doentes! Porém, muita gente vê essa aproximação do Papa com os não-católicos com maus olhos. Querem que o pastor fique alisando e escovando o pêlo das ovelhas que já estão dentro do redil, e se enciumam quando ele se volta para as ovelhas perdidas!